sábado, 22 de dezembro de 2018

Os promotores agora se concentram no gerenciamento de ativos pessoais da Ghosn

Photo/IllutrationA security officer stands guard outside the Tokyo Detention House on Dec. 21 after the end of visiting hours. (Nobuo Fujiwara)



A última alegação trazida pelos promotores de Tóquio contra Carlos Ghosn, ex-presidente da Nissan Motor Co., se concentra em saber se as perdas financeiras incorridas pelo alto executivo foram transferidas para a montadora.

Os promotores em 21 de dezembro prenderam novamente Ghosn, 64, por suspeita de violação agravada de confiança em violação da Lei das Sociedades, resultando em uma prorrogação de seu período de encarceramento na Casa de Detenção de Tóquio.

Fontes próximas ao caso disseram que Ghosn e seus associados na Nissan se recusaram a aceitar o tema da transferência da perda nas reuniões do conselho da Nissan.

Ghosn foi nomeado para alto escalão na secretaria da empresa como principal negociador com um banco em relação a uma transação de swap conduzida por uma empresa encarregada do gerenciamento de ativos da Ghosn.

O funcionário da Nissan, que ajudou a projetar o negócio, entrou em um acordo de negociação com os promotores e, segundo se diz, gerou a subnotificação da remuneração anual, que foi o foco principal das duas prisões anteriores de Ghosn.

A última detenção por suspeita de violação agravada da confiança pode ser considerada um ato criminoso em comparação com a subnotificação dos relatórios de segurança anuais da Nissan, que alguns consideram simplesmente um crime formal.No entanto, também temos um objetivo claro para produzir benefícios para Ghosn ou algum terceiro.

Ghosn foi contratado pela Nissan para servir como presidente quando a empresa estava em profunda dificuldade financeira, e virou sua sorte ao redor.

Fontes disseram que os promotores estão se concentrando no fato de que Ghosn manteve apenas alguns próximos no circuito sobre a transferência de perdas financeiras, bem como sua objeção a ter o tópico levantado nas reuniões do conselho. Isto, eles afirmam, ilustra um esforço determinado para esconder a transferência da Nissan, de modo a beneficiar financeiramente.

Ghosn assinou um contrato para um derivativo financeiro conhecido como uma transação de swap entre a empresa que gerencia sua administração de ativos e um banco.

Mas o colapso dos EUA O banco de investimentos Lehman Brothers, no outono de 2008, que desencadeou uma crise econômica global, levou a uma enorme perda não realizada no swap.

Ghosn é suspeito de trocar os direitos do contrato da empresa de gestão de ativos para a Nissan em outubro de 2008 e, com efeito, transferir cerca de 1,85 bilhão de ienes (US $ 16,6 milhões) em perdas não realizadas para a montadora.

Segundo fontes, os funcionários do banco buscaram a aprovação do conselho de administração da Nissan antes que o direito ao contrato pudesse ser trocado. Esses funcionários pediram ao funcionário da Nissan designado por Ghosn que servisse como negociador para incluir os detalhes específicos da transação na agenda da reunião do conselho.

Mas o funcionário recusou, dizendo que casos separados e aqueles incluindo os nomes de executivos individuais não poderiam ser apresentados à reunião do conselho.

Funcionários do banco perguntaram se seria possível levantar o assunto sem incluir o nome de Ghosn, mas o funcionário da Nissan novamente se recusou a considerar o pedido.

De acordo com fontes, Ghosn admitiu a transferência da perda para a Nissan, mas negou qualquer irregularidade porque não houve perdas atuais e há outras circunstâncias que não tornam crime.

Ghosn também teria dito que a transação de swap com o banco foi estabelecida porque ele queria que sua remuneração fosse paga nos EUA. dólares.

Ghosn também negou irregularidades com relação a uma segunda alegação relacionada levantada pelos promotores. Eles acreditam que uma subsidiária da Nissan depositou um total de US $ 14,7 milhões (1,63 bilhão de ienes a taxas atuais) para um conhecido na Arábia Saudita que desempenhou um papel na mudança do contrato da empresa de gestão de ativos para a Nissan. Ghosn disse que o empreendedor saudita foi contratado para realizar trabalhos para a Nissan e os depósitos eram pagamentos por esse serviço.