quarta-feira, 26 de dezembro de 2018

Nissan se prepara para desfazer a aliança Renault-Nissan-Mitsubishi?


Foi um mês interessante para a Aliança Renault-Nissan-Mitsubishi, para dizer o mínimo. O ex-presidente Carlos Ghosn ainda está sentado em uma cela japonesa, apesar de seu assessor de longa data e companheiro de prisão, Greg Kelly, ter acabado de receber fiança. Mas com Ghosn atualmente fora de cena, o que está acontecendo com a parceria? A Automotive News Europe informou que a Nissan, no dia de Natal, anunciou que atualizou seu código de governança corporativa, o que significa que mudou sua política de participação cruzada com a Renault.

A Renault é o maior acionista da Nissan e, em troca, a Nissan é o segundo maior acionista da Renault, sendo o primeiro o governo francês. Ambas as montadoras têm participações na Daimler. Mas a Nissan anunciou propositadamente essa mudança corporativa interna em um dia em que sabia que os escritórios da Renault seriam fechados e incapazes de responder imediatamente.

A Bloomberg também informou há alguns dias que a Nissan vem aumentando suas reservas de caixa para dar um passo dramático. A Nissan também poderia estar considerando vender parte ou a totalidade de sua participação de 15% na Renault? Dado o fato de que a Nissan estava reforçando seus suprimentos em dinheiro, é certamente possível. A Renault atualmente possui 43% da Nissan, estimada em 14 bilhões de dólares. A Nissan poderia rapidamente mobilizar não apenas dinheiro, mas também outros investidores para comprar ou reduzir drasticamente a participação da Renault e, portanto, sua influência.

No que diz respeito ao direito de voto de participações cruzadas, o novo código de governança da Nissan diz que a montadora irá considerar "se leva ou não à melhoria do valor corporativo de longo prazo e do interesse dos acionistas e exercer nossos direitos de voto". registro, a versão anterior do código não fazia menção de venda de participações cruzadas.