segunda-feira, 30 de março de 2020

Nissan ajustará temporariamente a produção no Japão devido à expansão do COVID-19

YOKOHAMA, Japão - A Nissan anuncia que ajustará temporariamente a produção em três de suas instalações de fabricação no Japão, devido à menor demanda no mercado automobilístico. Essa medida aumenta os esforços para conter a disseminação do coronavírus COVID-19 e prioriza o bem-estar dos funcionários, familiares, fornecedores e sociedade em geral.

Fábrica de Oppama: a produção de veículos será suspensa nos dias 3, 13, 24 e 1º de maio
Fábrica de Tochigi: a produção de veículos será suspensa de 6 a 22 de abril e 1º de maio
Nissan Motor Kyushu:
A produção de veículos no turno da noite será suspensa de 2 a 30 de abril
A produção de veículos será suspensa em 1º de maio

Informações acima em 27 de março de 2020.

Carlos Ghosn: Segurança parou de monitorar ex-executivo da Nissan após ameaça de advogado



O ex-executivo fugitivo da Nissan que fugiu do Japão em uma caixa de instrumentos escapou descaradamente, quando a empresa de segurança empregada parou de monitorá-lo, de acordo com um relatório novo.

A Nissan empregou investigadores particulares para encontrar detalhes de Carlos Ghosn e se ele se cncontraria om alguém envolvido em seu caso de crimes monetários, enquanto ele estava em prisão domiciliar aguardando julgamento.

No entanto, os advogados de Ghosn argumentaram que a empresa estava violando sua privacidade e ameaçou apresentar uma moção.

A vigilância foi interrompida em 29 de dezembro, disseram fontes à Reuters, no mesmo dia em que câmeras de monitoramento doméstico registraram Ghosn deixando sua casa em Tóquio sozinha e de modo algum retornando.

O empresário franco-brasileiro-libanês foi fotografado dois dias depois, na véspera de Ano Novo, em uma festa em sua casa no Líbano.


Nissan production, sales and exports for February 2020


YOKOHAMA, Japan - Nissan Motor Co., Ltd. today announced production, sales and export figures for February 2020.
1. Production
Nissan’s global production in February declined from a year earlier.
  • Production inside and outside Japan both declined from a year earlier.

2. Sales
Global sales in February declined from a year earlier.
  • Sales including minivehicles in Japan declined from a year earlier.
  • Minivehicle sales in Japan surpassed year-earlier results.
  • Sales outside Japan declined from a year earlier.

3. Exports from Japan
Exports from Japan in February declined from a year earlier.

sábado, 28 de março de 2020

Mitsubishi Corp. pode adquirir participação de 10% na Renault



PARIS - O conglomerado japonês Mitsubishi Corp poderia potencialmente investir na Renault como parte dos cenários discutidos para reforçar uma aliança entre a montadora francesa Nissan e Mitsubishi Motors, disseram duas fontes familiarizadas com o assunto.
A Mitsubishi Corp, que detém 20% da Mitsubishi Motors, pode ter uma participação de 10% na Renault, informou o jornal francês Les Echos na quinta-feira, citando um executivo  familiarizado com as discussões e outras fontes não identificadas.
O documento disse que esse era um cenário de muitos em discussão, que também poderia incluir planos de reestruturação, incluindo fechamento de fábricas e novos programas de economia de custos.
Nada foi resolvido e nenhuma decisão poderá ser tomada até maio, quando a aliança deve apresentar novas medidas para reiniciar as operações conjuntas e reduzir os custos, disse uma das fontes. A Renault não quis comentar.
A Mitsubishi Motors considera a Nissan como seu maior acionista, embora os laços sejam mais profundos entre os outros dois membros da aliança. A Nissan possui 15% da Renault, enquanto a Renault, por sua vez, 43%.
As relações entre Renault e Nissan pioraram após a prisão no Japão do ex-supremo aliado Carlos Ghosn no final de 2018. Desde então, ele fugiu para o Líbano, de onde intensificou sua defesa contra acusações de má conduta financeira. Ele nega qualquer irregularidade.
Desde então, a Renault e a Nissan limparam o convés de muitos gerentes ligados à era Ghosn, mas o momento para projetos conjuntos parou.

Ambos prometeram tentar reenergizar a aliança, já que as montadoras enfrentam uma demanda em queda nos mercados emergentes e programas caros para construir novos modelos, inclusive em carros menos poluentes.
A crise do coronavírus agravou os problemas do setor, à medida que a produção parou.

Nissan Magnite: mini-Kicks para emergentes será lançado em maio



Desenvolvido para ser o SUV de entrada da Nissan em mercados emergentes, o aguardado Magnite não deve demorar mais do que dois meses para estrear oficialmente. De acordo com a imprensa da Índia, país onde o modelo foi desenvolvido, o lançamento acontecerá no próximo mês de maio e representará peça-chave na estratégia de crescimento da marca no âmbito local.
Ao que tudo indica, o crossover será construído sobre a plataforma CMF-A do Renault Kwid e vem sendo tratado como uma espécie de versão Nissan do Renault HBC (SUV de posicionamento igualmente acessível desenvolvido também para emergentes). O projeto atende pelo codinome TBC, mas o apelido "mini-Kicks" também vem sendo adotado informalmente.
Além disso, já é certo que o modelo terá comprimento limitado aos 4 metros (característica que rende vantagens tributárias na Índia) e atuará em um nicho cada vez mais concorrido do mercado local. Além da Nissan e da Renault, marcas como Jeep (com o sub-Renegade) e Kia (com o Sonet) também planejam entrar no segmento. A Hyundai já faz sucesso na categoria com o Venue e a Suzuki com o Vitara Brezza.
Mecanicamente, como já dito, a plataforma adotada será a mesma do Kwid, porém na versão que já é usada pela minivan Triber e que será adotada também pelo SUV HBC. Sob o capô, são esperados motores 1.0 aspirado e turbo ligados a câmbios manual ou automatizado. As vendas serão iniciadas na segunda metade do ano, começando pela Índia.

sexta-feira, 27 de março de 2020


NIssan Versa 2020




Nissan Navara in Australia




Nissan LEAF PLUS wins 2020 AJAC Canadian Green Car of the Year award





Nissan LEAF PLUS wins 2020 AJAC Canadian Green Car of the Year award

O sucesso no controle do vírus no Japão intriga o mundo.

Photo/Illutration People walk through Osaka, Japan, March 25, 2020. O Japão intrigou os epidemiologistas, pois evitou as situações sombrias em lugares como Itália e Nova York sem restrições draconianas ao movimento, bloqueios economicamente devastadores ou mesmo testes generalizados.
TÓQUIO - O Japão teve apenas algumas dezenas de infecções confirmadas por coronavírus quando a enfermeira de 30 e poucos anos com uma leve dor de garganta embarcou em um ônibus para Osaka, a terceira maior cidade do país, para assistir a uma apresentação de fim de semana de São Valentim por bandas pop em um clube de música.Menos de duas semanas depois, ela testou positivo para o vírus, e as autoridades alertaram rapidamente outras pessoas que estavam no clube. À medida que mais infecções surgiam em outros três locais de música na cidade, as autoridades testaram os frequentadores de concertos e seus contatos íntimos e pediram que outros ficassem em casa. Ao todo, 106 casos foram vinculados aos clubes e nove pessoas ainda estão hospitalizadas.Porém, menos de um mês após a enfermeira ter resultado positivo, o governador de Osaka declarou o surto terminado.Desde que o primeiro caso de coronavírus foi confirmado no Japão, em meados de janeiro, as autoridades de saúde asseguraram ao público que agiram rapidamente para impedir que o vírus ficasse fora de controle. Ao mesmo tempo, porém, o Japão intrigou os epidemiologistas, pois evitou as situações sombrias em lugares como Itália e Nova York sem restrições draconianas ao movimento, bloqueios economicamente devastadores ou mesmo testes generalizados.O quebra-cabeça pode estar prestes a ganhar alguma clareza. Na quinta-feira, Katsunobu Kato, ministro da Saúde do Japão, disse que havia informado o primeiro-ministro Shinzo Abe que havia evidências de que o Japão estava agora em alto risco de infecção galopante.Na noite de quarta-feira, apenas um dia após o Japão e o Comitê Olímpico Internacional concordarem em adiar os Jogos de Verão de Tóquio por um ano por causa da pandemia de coronavírus, o governador de Tóquio, Yuriko Koike, alertou os cidadãos de que a cidade em expansão de quase 14 milhões de pessoas estava em uma "fase crítica antes de uma possível explosão de infecção".Os casos em Tóquio aumentaram esta semana, estabelecendo recordes por quatro dias seguidos - incluindo um anúncio de 47 casos na quinta-feira - quando os viajantes retornavam do exterior. Os testes limitados para o vírus levantaram temores de que muitos outros não sejam detectados.Koike implorou ao povo de Tóquio para trabalhar em casa, evitar passeios desnecessários e ficar dentro de casa no fim de semana. Na quinta-feira, os governadores de quatro prefeituras vizinhas também solicitaram que os residentes evitassem, no fim de semana, sair para outras atividades além de necessidades urgentes.“Se continuarmos sem fazer nada agora”, disse Koike, “a situação vai piorar. Peço a cooperação de todos. "O público até agora não levou esses avisos a sério. Embora as escolas tenham sido fechadas por um mês e o governo tenha solicitado que grandes eventos esportivos e culturais sejam cancelados ou adiados, o resto da vida voltou ao normal. As pessoas andam de metrô lotado, reunindo-se em parques para ver as flores de cerejeira, fazer compras, beber e jantar, confortadas pelo número relativamente baixo de casos e mortes confirmados de coronavírus no Japão.Mesmo em um dos clubes de Osaka onde o surto ocorreu no início deste mês, um grupo de 40 jovens assistiu a uma performance de uma boy band na quarta-feira, pulando e agitando as mãos em um espaço pequeno e sem ventilação por quase duas horas.À medida que outras partes do mundo caem em uma espiral de infecções, transbordamentos e mortes em hospitais, o Japão, um país de quase 127 milhões de pessoas, registrou apenas 1.300 casos e 45 mortes, com uma das taxas de mortalidade que mais progride no mundo, apesar de envelhecimento da população."Eles fizeram algo certo", disse Peter Rabinowitz, co-diretor do MetaCenter da Universidade de Washington para Preparação para Pandemia e Segurança Global da Saúde ", ou eles não fizeram e ainda não sabemos sobre o assunto".Como o Japão parece ter conseguido uma façanha de contenção de infecções, apresentou um contraste intrigante com outros países da Ásia, onde a pandemia começou. Não colocou cidades em confinamento como a China. Não implantou a moderna tecnologia de vigilância como um número crescente de países, incluindo Cingapura. Também não adotou o tipo de teste por atacado que ajudou a Coréia do Sul a isolar e tratar as pessoas antes que elas pudessem espalhar a doença.Enquanto a Coréia do Sul, com uma população menor que a metade do tamanho do Japão, realizou testes em quase 365.000 pessoas, o Japão testou apenas cerca de 25.000. O Japão agora tem capacidade para realizar cerca de 7.500 testes por dia, mas sua média diária é mais próxima de 1.200 ou 1.300.Dr. Tomoya Saito, diretor do departamento de gerenciamento de crises em saúde do Instituto Nacional de Saúde Pública, disse que os testes limitados foram intencionais. Aqueles que são testados são encaminhados pelos médicos, geralmente após os pacientes terem febre e outros sintomas por dois a quatro dias. A política atual do Japão é admitir quem tem um resultado positivo em um hospital, para que as autoridades evitem drenar os recursos de assistência médica com casos menos graves.Saito disse que parte da aparente resistência do Japão à infecção pode resultar de medidas comuns na cultura, incluindo lavar e curvar as mãos com frequência, em vez de apertar as mãos. As pessoas também têm muito mais probabilidade de usar máscaras em trens e em espaços públicos. "É uma espécie de distanciamento social", disse Saito.Jeffrey Shaman, epidemiologista da Universidade de Columbia e autor sênior de um relatório que projetou de 5 a 10 casos não detectados para cada infecção confirmada pelo coronavírus com base em dados da China, disse que a abordagem do Japão é uma "aposta"."O risco é que as coisas estejam se formando sob a superfície que você não reconhece até que seja um pouco tarde demais", disse Shaman.Em Osaka, um relatório preparado para o Ministério da Saúde deste mês projetou que, no início de abril, a cidade poderia ter cerca de 3.400 infecções, 227 delas graves. "É possível que a prestação de tratamento médico a pacientes gravemente enfermos possa se tornar difícil", afirma o relatório.Na quarta-feira, o governador de Osaka, Hirofumi Yoshimura, disse que estava trabalhando para garantir mais 600 leitos em enfermarias de isolamento hospitalar que poderiam acomodar pacientes com as infecções mais graves.Masaya Yamato, chefe de doenças infecciosas do Centro Médico Geral de Rinku, em Osaka, disse que a região está adotando um modelo em que pacientes com coronavírus com sintomas leves podem ficar em casa para economizar leitos hospitalares para os doentes graves.Em Tóquio, existem apenas 100 camas designadas para lidar com pessoas com doenças infecciosas graves. Na quarta-feira, o governo da cidade prometeu garantir mais 600.O pedido do governador de Tóquio para permanecer dentro deste fim de semana, disse Yamato, pode ser muito fraco para adiar uma crise."É melhor que o primeiro-ministro Abe declare decisivamente um bloqueio em Tóquio", disse Yamato. “O impacto econômico não deve ser uma prioridade. Tóquio deve ficar presa por duas a três semanas. Caso contrário, o sistema médico de Tóquio pode entrar em colapso. "A administração de Abe nomeou uma força-tarefa para determinar se ele deve declarar um estado de emergência, uma medida que ele disse ser desnecessária no início deste mês.Por enquanto, o público está praticamente indiferente. Embora algumas prateleiras de supermercados em Tóquio tenham sido limpas na noite de quarta-feira após o pedido do governador, estavam na quinta-feira como de costume.Perto da estação Shinbashi, no centro de Tóquio, homens de terno preto sentavam-se lado a lado em um balcão de um restaurante que oferecia um almoço de macarrão frito especial por 500 ienes, cerca de US $ 4,50. Uma longa fila se formou do lado de fora de um McDonald's, e os fumantes lotavam uma pequena caneta perto da entrada da estação.No parque Shinjuku Gyoen, no oeste de Tóquio, onde as flores de cerejeira estavam perto do pico da floração, uma placa na entrada informava aos visitantes que, como parte dos esforços antivírus, mantas de piquenique e álcool foram proibidos. Guardas de segurança com megafones vagavam por grupos de pessoas que estavam tirando fotos com as flores, avisando-as para lavar as mãos.Em uma loja não muito longe do parque, Kazuhisa Haraguchi, 36 anos, ficou em uma longa fila por uma chance de comprar um par de tênis de edição limitada Nike Air Max.Haraguchi disse que estava preocupado com a propagação do vírus nos Estados Unidos e na Europa, mas que não estava preocupado com a situação no Japão."É assustador, mas parece que não há muito aqui agora", disse ele. "Se eu morrer, pelo menos vou morrer com meu tênis."

Liberty Walk Lexus LC500