quinta-feira, 27 de dezembro de 2018

Documento mostra recompensa por garantia de crédito




A NHK soube que um documento mostra as condições sob as quais Carlos Ghosn deveria fazer pagamentos a um empresário saudita como compensação por lidar com as perdas de investimento pessoal do antigo presidente da Nissan Motor.

Ghosn foi preso novamente na semana passada por suspeita de quebra de confiança agravada. Ele foi inicialmente preso por subnotificar seu pagamento.

Ghosn é acusado recentemente de ter utilizado ilicitamente a subsidiária da Nissan ao remeter cerca de 15 milhões de dólares para a empresa de Khaled Al-Juffali, que tem uma ligação estreita com a montadora japonesa.

Fontes dizem que o empresário ajudou Ghosn a obter uma garantia de crédito ao depositar cerca de 27 milhões de dólares em um banco em 2009.

As fontes dizem que o total de cerca de 15 milhões de dólares foi remetido à empresa de Al-Juffali em quatro ocasiões como despesas de promoção de vendas de um fundo de reserva que Ghosn poderia usar a seu critério.

A equipe de defesa de Ghosn disse que ele nega as acusações. Ele teria supostamente dito que Al-Juffali o ajudou com a garantia de crédito, mas afirma que não há razão para pagar uma recompensa desse valor porque as perdas não foram incorridas com o dinheiro depositado pelo empresário saudita.

A equipe de defesa também comunicou que Ghosn afirma que o pagamento era uma compensação legítima por fazer lobby na família real saudita e em outros serviços.