domingo, 23 de dezembro de 2018

Carlos Ghosn supostamente usou o fundo CEO da Nissan para recompensar o cidadão saudita pela ajuda no investimento pessoal fracassado

O ex-presidente da Nissan Motor Co., Carlos Ghosn, é suspeito de usar um fundo da Nissan para recompensar um conhecido que o ajudou a lidar com um investimento pessoal que causou prejuízo, disseram fontes no sábado.

Alegadamente Ghosn pagou US $ 14,7 milhões para o conhecimento da Arábia Saudita a partir da Nissan "reservas CEO," um fundo destinado a operações de financiamento de negócios inesperados não cobertos pelo orçamento regular, eles disseram.

O ex-chefe da Nissan, indiciado de subnotificação sua remuneração e que permanece em detenção, preso agora para investigaçãopor um mandado de captura novo na sexta-feira,  devido a transferência do contrato de derivados privada, que foi incorrer em uma perda de avaliação de ¥ 1,85 bilhões ($ 16,6 milhões), para a conta Nissan em uma quebra de confiança.

O contrato de investimento com o Shinsei Bank foi transferido para a Nissan depois que o banco pediu garantias adicionais devido à perda de volume, disseram as fontes.

O contrato, que acumulou perdas durante a crise financeira global de 2008, foi posteriormente transferido de volta para a empresa de gestão de ativos pessoais de Ghosn, com seu conhecido apoiando a transação, disseram as fontes. O pagamento de US $ 14,7 milhões foi uma recompensa por ajudar a transferir o contrato de volta da Nissan, fornecendo uma garantia de crédito, disseram eles.

O banco se opôs inicialmente a transferência do contrato para a Nissan  por medo de violar a lei, mas a transferência foi mais tarde facilitada por um executivo estrangeiro do banco estava em termos amigáveis ​​que, com Ghosn.

O ex-presidente Nissan não teve a cobertura da montadora pela perda de investimentos após ser informado por autoridades financeiras seria ilegal, o advogado de Ghosn, Motonari Otsuru, disse.

De acordo com fontes investigativas, Ghosn disse que eu pagou o conhecido para a realização de trabalhos relacionados à operação da Nissan. Ele admitiu ter transferido o contrato para a Nissan, mas negou causar qualquer prejuízo à empresa, disseram as fontes.

Parte da reserva da Nissan era administrada por uma subsidiária no exterior e praticamente controlada apenas por Ghosn, segundo fontes familiarizadas com a transação entre Ghosn e o conhecido.

O mandado de prisão cumprido na sexta-feira foi uma surpresa, já que se pensava estar próximo da libertação sob fiança da Casa de Detenção de Tóquio, onde ele está detido desde 19 de novembro.