quarta-feira, 5 de dezembro de 2018

As dúvidas sobre o pacote de remuneração diferida de Ghosn

Photo/Illutration
Carlos Ghosn, left, and Greg Kelly when they were Nissan Motor Co.’s chairman and a representative director, respectively (From Nissan Motor Co. website)

Um ex-executivo da Nissan Motor Co. disse que a empresa foi informada por especialistas externos de que não era necessário divulgar os pagamentos planejados após a aposentadoria ao ex-presidente Carlos Ghosn, disseram fontes.

Greg Kelly, 62, ex-diretor representante, também nomeou os escritórios de advogados e contadores contatados pelo escritório da secretaria para Ghosn, 64, disseram as fontes.

A declaração de Kelly destaca o conflito entre os dois ex-executivos da Nissan e o Departamento de Investigações Especiais do Ministério Público do Distrito de Tóquio sobre a legalidade dos pagamentos de aposentadoria.

Eles supostamente esconderam cerca de 9 bilhões de ienes durante esses oito anos e planejaram pagar a soma sob a forma de consultoria ou taxas de contrato após a aposentadoria de Ghosn.

Kelly disse que o pacote pós-aposentadoria de Ghosn não tem relação com sua remuneração como membro do conselho da Nissan, disseram as fontes.Kelly também disse que, a pedido dele, o escritório da secretaria para Ghosn perguntou a um escritório de advocacia e a um escritório de contabilidade sobre possíveis problemas legais com os pagamentos pós-aposentadoria.Ele disse que a secretaria confirmou que não havia obrigação de divulgar os pagamentos porque eles não constituíam remuneração pelo trabalho que Ghosn havia feito durante o período.Kelly enfatizou que a confirmação foi feita pela Nissan.

Com relação aos documentos que o departamento de investigação especial vê como evidência forte de irregularidades, Kelly disse que quando os mostrou a Ghosn, ele repetidamente disse que eles não garantiam que receberia o dinheiro depois de aposentado, disseram as fontes.