sábado, 12 de janeiro de 2019

O executivo da Nissan, Munoz, renuncia em meio à ampliada investigação sobre Ghosn

Photo/IllutrationJose Munoz, then head of Nissan's China operations, speaks during an interview in Shanghai on Sept. 12, 2018. (AP file photo)
Um dos principais executivos da Nissan Motor Co. demitiu-se, sacudindo ainda mais a equipe de gerenciamento da montadora japonesa, uma vez que amplia uma investigação sobre a alegada má conduta financeira do ex-presidente Carlos Ghosn.

Jose Munoz, amplamente considerado como um aliado próximo de Ghosn e um possível sucessor para liderar a parceria de automação entre a Nissan e a francesa Renault SA, tinha sido uma "pessoa de interesse" na ampliação da investigação interna da Nissan.

O executivo de 53 anos, que era diretor de desempenho da Nissan e chefe de operações na China, fez o anúncio em um post no LinkedIn na sexta-feira. Em um comunicado, a Nissan disse que Munoz havia "escolhido renunciar" à empresa, com efeito imediato. Ele se recusou a oferecer detalhes.

Ele se torna a mais recente vítima executiva desde que a Nissan em novembro removeu Ghosn como presidente e demitiu o diretor representante Greg Kelly.

A renúncia representa mais um revés para a montadora japonesa, que está lidando com o escândalo no momento em que está lutando para sustentar a lucratividade nos Estados Unidos e expandir agressivamente na China.

A Reuters informou na sexta-feira que a montadora japonesa estava analisando as decisões tomadas nos Estados Unidos por Munoz, que liderou as operações da Nissan na América do Norte de 2016 a 2018."Infelizmente, a Nissan está atualmente envolvida em assuntos que têm e continuarão a desviar seu foco", disse Munoz em seu post.

"Como tenho repetidamente e recentemente deixado claro para a empresa, estou ansioso para continuar a ajudar a Nissan em suas investigações."

Pessoas com conhecimento da questão disseram que Munoz, que havia sido colocado em uma licença de ausência no início do mês, não estava cooperando com a investigação interna.

Ghosn, que já foi um dos executivos mais célebres da indústria automobilística e âncora da aliança da Nissan com a Renault, permanece sob custódia em um centro de detenção de Tóquio desde sua primeira prisão no final de novembro.

Ghosn foi indiciado por duas acusações de subestimar sua renda e agravar a quebra de confiança por ter temporariamente transferido perdas de investimento pessoal no valor de 1,85 bilhão de ienes (US $ 17 milhões) para a Nissan.

O escândalo causou ondas de choque na indústria automotiva e aumentou as tensões entre a Nissan e a Renault, onde Ghosn permanece como CEO e presidente do conselho.

Munoz entrou para a montadora em 2004 na Europa e liderou sua expansão significativa na América do Norte após a crise financeira global. Desde então, a Nissan conseguiu aumentar sua participação de mercado nos Estados Unidos e registrou vendas recordes.

No início deste ano, a Nissan encaminhou Munoz para supervisionar suas operações na China, onde planeja aumentar as vendas nos próximos anos.

Desde então, o maior mercado de automóveis do mundo tem mostrado sinais de desaceleração, levando a montadora a cortar os planos de produção local nos próximos meses.