quarta-feira, 2 de janeiro de 2019

O que vem a seguir para Ghosn, que permanece preso em Tóquio




1. Então, o que vem a seguir para Ghosn?

Seu atual período de detenção terminará em 11 de janeiro. A essa altura, os promotores precisarão anunciar se pretendem indiciá-lo pelas acusações de quebra de confiança, o que eles provavelmente farão. Se ele for indiciado, Ghosn poderá solicitar a fiança - uma decisão que será tomada pelo tribunal e poderá ser apelada pelos promotores.

Há também a possibilidade de que Ghosn possa ser detido em novas acusações, que iniciarão o período de detenção e continuarão a mantê-lo por mais 20 dias. Ghosn já foi preso duas vezes desde que ele foi originalmente preso em 19 de novembro.

Dificilmente Ghosn reunirá condições de voltar ao trabalho a médio prazo. Finalizada esta fase de inquérito e indiciamento pelos procuradores japoneses, ele terá de usar seu tempo para organizar sua defesa perante o Tribunal. O julgamento pode levar meses até acontecer.

2. Quanto tempo isso vai durar?

Não há uma resposta clara para isso. No Japão, os poderes conferidos à polícia e aos promotores para encarcerar suspeitos durante uma investigação sem acusá-los são únicos no mundo desenvolvido.

Enquanto no Reino Unido, os suspeitos podem ser mantidos por até 96 horas por crimes graves, como assassinato, e até 14 dias sob o Terrorism Act, Ghosn já passou mais de 40 dias na cadeia de Tóquio. A fiança não é possível até ser indiciada, mas não há limite para o número de vezes que os promotores podem reorganizá-lo com novas acusações. Especialistas legais dizem que esta é uma estratégia para garantir uma confissão e tornar o inquérito mais fácil.

Os promotores japoneses raramente se arriscam a um veredicto de não-culpado. Menos de 1% dos casos nos tribunais distritais e municipais do Japão em 2017 resultaram em um veredicto de inocência ou no réu sendo libertado, de acordo com dados do Ministério Público.

A Nissan mobilizou recursos e pessoas para investigar atos de Ghosn no passado, possivelmente a empresa tenha indícios de outros atos ilícitos, que abre margem para novos inquéritos no Japão, o que pode prolongar a estadia dele na cadeia por muito tempo ainda.

3. Onde está Greg Kelly, ex-auxiliar de Ghosn?

Depois de pagar a fiança, Kelly deixou o centro de detenção em um táxi no final de 25 de dezembro. Ele foi levado a um hospital na Prefeitura de Ibaraki, a cerca de 65 quilômetros ao norte de Tóquio, para tratamento de sua espinha. Ele não planejava encontrar a imprensa imediatamente, disse seu advogado. O tribunal estabeleceu condições para a fiança, incluindo a proibição de deixar o Japão. Ele não tem permissão para entrar em contato com as pessoas envolvidas nas alegações e precisa morar em um endereço aprovado pelo tribunal.

4. Como estão as coisas na Nissan?

A prisão de Ghosn abalou a maior aliança de automóveis do mundo, levantando questões sobre como a parceria de duas décadas entre a Nissan e a Renault SA mudará. Embora ambos tenham reafirmado sua fé na parceria, a participação de 43% da Renault na Nissan com direito a voto e as participações do Estado francês na Renault têm sido fonte de tensão. A Renault solicitou repetidamente que a empresa japonesa realizasse uma assembleia geral extraordinária de acionistas para tratar de questões de governança corporativa. A Nissan também foi indiciada por violar as leis financeiras do Japão.Em um memorando interno no mês passado, o CEO Hiroto Saikawa procurou assegurar aos funcionários que a montadora está lidando com as deficiências na governança corporativa. "Continuamos a conduzir uma investigação interna para descobrir todos os fatos, e vamos agir daqui para frente", escreveu ele no memorando.