segunda-feira, 7 de janeiro de 2019

"Ghosn Shock" mostra os problemas da Nissan



Carlos Ghosn foi preso por promotores de Tóquio na semana passada por suspeita de subnotificar seus ganhos por US $ 44 milhões. A Ghosn lidera o segundo maior grupo automotivo do mundo, que inclui a Renault e a Mitsubishi Motors. Ele negua as acusações.


Qual crime Ghosn é suspeito de cometer?

Ghosn e um de seus assessores próximos são suspeitos de falsificar relatórios de valores mobiliários.

Na maioria dos casos, as empresas tentam aumentar seus números de desempenho estancando vendas e ocultando dívidas. O que é incomum no caso Ghosn é que ele supostamente subestimou seus próprios ganhos para seu próprio bem. É provavelmente por isso que os promotores não perderam tempo em prendê-lo, apesar de sua posição proeminente na comunidade empresarial global.

Os promotores de Tóquio dizem que Ghosn vinha recebendo uma compensação anual de cerca de US $ 18 milhões, antes que uma lei exigindo que executivos de alta renda divulgassem seus resultados entrou em vigor em 2010. Desde então, ele publicamente reportou sua compensação em cerca de US $ 9 milhões.

Suspeita-se agora que a diferença entre esses dois números seria recebida após a aposentadoria, a fim de evitar backlash para o alto valor anual. No total, isso teria sido em torno de US $ 70 milhões.

Ghosn também é suspeito de usar fundos da empresa para fins particulares. Fontes dizem que a Nissan lhe forneceu casas em 4 países ao redor do mundo e que a empresa pagou por viagens familiares. Como presidente, Ghosn ganhou a reputação de "redutor de custos", ao solicitar que os funcionários cortassem custos sempre que possível. Isso provavelmente tornaria o alegado uso indevido por Ghosn do dinheiro das empresas ainda mais escandaloso aos olhos dos trabalhadores da Nissan.

O salário de Ghosn


Alguns expressaram críticas sobre o grande salário de Ghosn. Mas alguns dizem que isso foi merecido, apontando para o fato de que o lucro líquido da Nissan subiu de US $ 2,7 bilhões para US $ 4 bilhões de 2011 a 2015. No entanto, não é preciso dizer que ele precisava divulgar exatamente o quanto estava ganhando para os acionistas.



Sistema de barganha introduzido no Japão

Há outro fator que separa o incidente de outros casos de falsificação. Fontes dizem que o escritório do promotor de Tóquio teve um acordo de barganha com um ou mais funcionários da Nissan Motor antes da prisão de Ghosn. O sistema foi introduzido no Japão em junho. Acredita-se que esta é a segunda vez que foi usado.

Uma barganha permite que os promotores ofereçam leniência aos suspeitos ou réus em troca de cooperação. Algumas pessoas expressaram preocupação de que isso poderia permitir que executivos e empresas escapassem da acusação, deixando os subordinados com responsabilidade criminal. Mas desta vez, o sistema levou à prisão da figura superior da empresa, o cenário exato para o qual foi criado.

Ainda assim, uma barganha não permite que as empresas saiam do gancho. Ghosn é acusado de ter subnotificado sua renda por 5 anos. A empresa deve considerar por que não foi capaz de detectar a conduta imprópria antes do início da investigação.


Investigações completas necessárias

Se Ghosn e seu assessor estivessem falsificando relatórios de segurança, é difícil acreditar que eles fizeram tudo sozinhos. Investigadores devem descobrir o processo no qual Ghosn chegou a subestimar sua renda.

Dependendo do resultado, a Nissan pode registrar uma reivindicação de indenização contra ele. Especialistas dizem que os atos de Ghosn podem equivaler a quebra de confiança agravada. O que aconteceu na Nissan deve ser totalmente esclarecido por meio de investigações dos promotores e uma investigação por um painel de terceiros.


Impactos no management da Nissan



O maior problema na sequência da detenção de Ghosn é o destino da aliança de três vias entre a Nissan, a Renault e a Mitsubishi Motors. Sua forte liderança foi o que manteve o frágil equilíbrio de poder entre as empresas, que tinham culturas corporativas drasticamente diferentes.

A Renault se beneficiou muito da aliança. Ela foi capaz de compartilhar o enorme custo de desenvolvimento de sistemas de auto-condução e outras tecnologias com as outras duas empresas, e fazer uso da capacidade de desenvolvimento tecnológico da Nissan. Alguns especialistas franceses dizem que a Renault sofrerá mais se a aliança quebrar.

O governo francês, que é o maior acionista da Renault, teria pressionado por uma fusão entre a Renault e a Nissan para solidificar a parceria. Mas Ghosn supostamente ficou no meio e manteve a independência de cada montadora, pelo menos em um ponto.

Todos os olhos estão em como a Renault responderá à saída de Ghosn. O foco está em saber se tentará pressionar por um novo presidente que esteja alinhado com as intenções do governo francês, e em que posição assumirá o futuro da aliança de três vias.

Nissan precisa de reforma

A Nissan prometeu criar rapidamente um painel, incluindo especialistas externos, para examinar o que permitiu a suposta má conduta de Ghosn. A montadora também diz que revisará fundamentalmente seu sistema de gerenciamento.



O presidente da Nissan, Hiroto Saikawa, disse na conferência de 19 de novembro que Ghosn consolidou o poder depois de assumir o comando da Nissan e da Renault, que detém 43 por cento das ações da Nissan. Saikawa observou que não havia nenhum mecanismo para manter Ghosn sob controle e isso levou à suposta má conduta.

Mas a Saikawa e outros membros da administração também são responsáveis por não detectar e corrigir a má conduta em um estágio inicial.

Os consumidores escolhem quais carros eles compram com base em quanto eles podem confiar na montadora. Se a Nissan não conseguir revisar o sistema de gerenciamento corporativo que permitiu que a má conduta permaneça não detectada por um período tão longo, a empresa poderá perder essa confiança do consumidor.

Os funcionários das fábricas e fábricas de peças da Nissan no grupo Nissan trabalham arduamente todos os dias para produzir veículos de alta qualidade. A administração da empresa precisa mudar para não trair essas pessoas.