segunda-feira, 7 de janeiro de 2019

CEO da Nissan: Aliança Renault-Nissan não está em perigo




Tóquio: A aliança da Nissan com a francesa Renault não está em perigo "de jeito nenhum", disse o CEO da montadora japonesa à AFP nesta segunda-feira, apesar das tensões expostas pela prisão do chefe da parceria, Carlos Ghosn.

Em uma entrevista, Hiroto Saikawa descartou sugestões de que a aliança, que também inclui a Mitsubishi Motors, tenha sido danificada pelo resultado da prisão de Ghosn por suposta má conduta financeira."Eu não acho que esteja em perigo", disse ele.

Ele recusou-se a comentar diretamente o caso contra Ghosn, que comparecerá ao tribunal na terça-feira para ouvir uma explicação sobre sua detenção."Este é um processo do sistema japonês, então não tenho nada a dizer", disse Saikawa."Eu só quero me concentrar em estabilizar a empresa."

A prisão de Ghosn abalou a indústria automobilística e expôs as brigas na aliança de três firmas que ele forjou, particularmente entre a Nissan e a Renault.

A Nissan e a Mitsubishi Motors removeram rapidamente Ghosn de seus cargos de liderança após sua prisão, com Saikawa até se referindo ao "lado negro" do mandato de seu ex-mentor.

Mas a Renault manteve Ghosn como CEO, e a empresa francesa pediu repetidamente à Nissan que convocasse uma reunião de acionistas, supostamente buscando reforçar sua representação no conselho da empresa.

Funcionários de ambas as empresas também reclamaram de uma falha na comunicação após a prisão.Mas, apesar das aparentes tensões, Saikawa disse que estava se comunicando com a Renault no dia-a-dia e que "o trabalho da aliança está indo bem".

"O núcleo, o valor da própria aliança está vindo do trabalho do dia-a-dia", acrescentou.

"Este trabalho, essa energia, essa direção de atividades não é de todo afetada".- 'Pronto para aceitar mudanças fundamentais' - Mas, em uma indicação de uma das questões subjacentes às tensões, Saikawa sugeriu que a atual distribuição de ações na parceria poderia ser renegociada.

A Renault é atualmente o parceiro dominante na aliança, detendo 43 por cento das ações da Nissan, enquanto a empresa japonesa detém apenas 15 por cento de participação na Renault e não tem direito de voto.

Enquanto a aliança como um todo é a empresa de automóveis mais vendida do mundo, a Nissan supera sua contraparte francesa.

Houve rumores de que antes de sua prisão, Ghosn estava se movendo no sentido de consolidar a aliança, apesar do ressentimento crescente na Nissan sobre o quadro existente da parceria.

"Atualmente, não temos nada a mudar, mas talvez no futuro", disse ele.

"Podemos dizer que esse credo atual é estável ou sustentável?" Este é o dever de casa para os líderes da geração atual, antes de passar para as próximas gerações Precisamos trabalhar nisso.

Ghosn enfrenta alegações, incluindo sub-relato de sua compensação, tentando transferir as perdas de investimento em livros da Nissan, e usando fundos da empresa para pagar um amigo que colocou-se garantia para ele.Eu neguei as alegações, e espera-se que ele faça sua primeira declaração pública desde sua prisão, quando ele aparece em um tribunal de Tóquio na terça-feira.

A Nissan diz que a suposta má conduta financeira veio à tona através de um denunciante da empresa, que então levou a uma investigação completa.

Na esteira do caso, e a remoção de Ghosn como presidente, a Nissan lançou uma ampla revisão de sua governança.

A firma em si é acusada de apresentar documentos falsificados em um dos casos envolvendo a alegada subnotificação do salário de Ghosn.

Saikawa disse que  esperava que a revisão produzisse "recomendações profundas e amplas".

"Estou pronto para aceitar mudanças fundamentais", acrescentou, falando à margem da reunião de Ano Novo organizada pelo lobby comercial japonês Keidanren.

Ele disse que a revisão pode resultar em um papel reforçado para diretores independentes e, possivelmente, uma mudança na composição do conselho da Nissan.