quinta-feira, 29 de novembro de 2018

História de sucesso da Nissan na Europa leva um mergulho

O afastamento da Nissan de seu presidente, Carlos Ghosn, por supostas irregularidades financeiras foi interpretado por alguns analistas como uma tentativa da montadora japonesa de impedir uma fusão com sua sócia controladora, a Renault.Quaisquer que sejam os planos finais da Nissan para a aliança, o drama destaca o fato de que a Europa não é um lugar feliz para a empresa no momento.A Nissan perdeu 12,2 bilhões de ienes (95 milhões de euros) no último trimestre de sua região na Europa, que inclui a Rússia, um grande aumento em relação à perda de 2,5 bilhões de ienes no mesmo período do ano passado.Em seu relatório financeiro mais recente, a Nissan não ofereceu uma visão real sobre as crescentes perdas na Europa, dizendo apenas que estava lidando com “rígidas regulamentações ambientais” na região. Essa é uma referência à mudança para a nova regulamentação de emissões de WLTP, que tem sido prolongada e dolorosa para a maioria das montadoras que vendem na UE.A Nissan eliminou centenas de empregos em sua principal fábrica em Sunderland, na Inglaterra, quando mudou para novos motores, de acordo com relatos da mídia local. A Nissan se recusou a comentar diretamente o número exato, mas disse que as mudanças estão relacionadas à reforma da fábrica para introduzir uma nova gama de motores.

O fato de Sunderland estar em breve fora da UE, enquanto o Reino Unido se prepara para sair do bloco comercial, é uma grande dor de cabeça. Cerca de 80% da produção da fábrica é exportada para a Europa continental.As vendas européias da Nissan estão caindo à medida que sua gama de modelos envelhece. As vendas nos mercados da UE e da EFTA caíram 11%, para 439.288, até outubro, de acordo com a associação setorial ACEA. A participação de mercado da Nissan caiu para 3,3%, de 3,7%.Atrasos na oferta do Qashqai compacto SUV, o mais vendido da Nissan na Europa, com um novo motor turbo de 1.3 litros, provavelmente foram os culpados, mas também a popularidade do SUV pequeno e obsoleto da Juke, o segundo maior vendedor da montadora. A substituição deste modelo-chave em um segmento que a Nissan ajudou a definir no lançamento em 2010, estava prevista para este ano, mas foi adiada.Enquanto isso, a Nissan tem lutado para vender hatchbacks. No início deste ano, a empresa matou o carro compacto Pulsar, depois que a fraca demanda não conseguiu gerar nem metade das 64.000 vendas anuais previstas quando foi lançado em 2014. A Nissan já retirou sua nota do segmento de minivans em declínio. Até mesmo o novo Leaf elétrico, um ponto positivo em termos de vendas na Europa, provavelmente não gera lucro para a empresa.

Duas outras dores de cabeça para a Nissan são a falta de interesse do consumidor por sua marca Infiniti na maioria dos mercados europeus, onde a BMW, a Mercedes-Benz e a Audi dominam o mercado de luxo. Na Rússia, a marca Datsun de baixo custo da Nissan não conseguiu conquistar muitos compradores.Um novo Juke melhoraria imediatamente as perspectivas da Nissan. Assim também lançaria uma série de híbridos para contrabalançar o sucesso rival da Toyota em fornecer uma alternativa a diesel. A Nissan está buscando trazer sua tecnologia híbrida ePower para a Europa agora que foi introduzida no Japão.A Nissan teve uma boa corrida na Europa desde que se transformou de também em inovadora em 2007, com o lançamento da primeira geração do Qashqai, que estimulou uma mudança no consumidor para SUVs e crossovers. Mais de uma década depois, a história de sucesso da Nissan na Europa precisa de uma sequência.