sexta-feira, 30 de novembro de 2018

Autoridades japonesas prorrogam a detenção de Ghosn por 10 dias, dizem relatórios





Tokyo's main detention center where Ghosn is being detained. He is is likely being held in a small 52-square-foot cell, media reports have said. Photo credit: REUTERS


TÓQUIO - As autoridades de Tóquio na sexta-feira prolongaram por mais 10 dias a detenção do presidente da Nissan, Carlos Ghosn, disse a imprensa japonesa.Ghosn foi preso em 19 de novembro depois de pousar em um aeroporto de Tóquio. A Nissan, montadora que ele ajudou a ressuscitar, o acusa de crimes financeiros, incluindo a subavaliação do rendimento e o uso de dinheiro da empresa para uso pessoal. As autoridades japonesas terão agora de apresentar acusações até 10 de dezembro ou deixá-lo ir.Ghosn nega ter cometido erros e contratou Motonari Otsuru, ex-diretor do mesmo departamento de escritório de promotores de Tóquio que agora o está investigando, como seu principal advogado de defesa.

A prisão de Ghosn levantou preocupações sobre o futuro da aliança de automóveis que ele montou junto com Nissan, Renault e Mitsubishi Motors. Sua prisão dividiu os fabricantes de automóveis que ele dirigiu e levantou questões sobre como o Japão tem sido transparente na divulgação de detalhes dos supostos delitos de Ghosn.O presidente francês, Emmanuel Macron, está buscando uma reunião com o primeiro-ministro do Japão, Shinzo Abe, sobre a prisão de Ghosn, informou o jornal Mainichi nesta sexta-feira, citando pessoas não identificadas e familiarizadas com os acontecimentos. Macron pretende pedir que as investigações sejam transparentes e as razões que levaram à prisão do franco-brasileiro.O sistema de justiça criminal do Japão carece de muitas das proteções recebidas pelos réus nos EUA e na Europa. Os promotores podem ficar com Ghosn por até três semanas sem acusação, e nesse tempo seu advogado provavelmente não estará presente durante o que provavelmente será um longo e repetido interrogatório.
É quase certo que os promotores procederão a uma acusação depois de fazer uma prisão tão importante, disse Nobuo Gohara, advogado e ex-promotor especializado em direito financeiro. Se for condenado, Ghosn pode pegar até 10 anos de prisão, disseram os promotores.O conselho da Nissan demitiu Ghosn como presidente alguns dias após sua prisão, enquanto sua parceira e maior acionista Renault decidiu não removê-lo como seu CEO e, em vez disso, nomeou o diretor de operações Thierry Bollore como líder interino. A Renault disse na época que não tinha informações suficientes para remover o executivo em apuros.Na quinta-feira, a Renault, a Nissan e a Mitsubishi Motors disseram que seus CEOs liderarão juntas sua aliança de fabricantes de automóveis por enquanto, dividindo um papel mantido por Ghosn por duas décadas. Os três chefes estão "completamente alinhados em direção", disse a repórteres o diretor-presidente da Nissan, Hiroto Saikawa.Ghosn, 64 anos, está detido no centro de detenção de Tóquio, conhecido por um regime austero. Ele provavelmente está preso em uma pequena cela de 52 metros quadrados, segundo reportagens da mídia. Seu ritmo diário é de oito horas de sono enquanto ele está em sua cela de detenção, três refeições e 30 minutos de exercícios prescritos - muito longe de seu estilo de vida de luxo anterior.

Promotores japoneses alegam que Ghosn e o membro do conselho Greg Kelly, que também está sendo interrogado, conspiraram para subnotear cerca de metade dos 10 bilhões de ienes (US $ 88 milhões) ganhos na Nissan em cinco anos, do ano fiscal de 2010. Bolsa de Valores de Tóquio. A Nissan comprou e renovou casas para Ghosn no Brasil e no Líbano, no valor de cerca de US $ 18 milhões, e pagou várias centenas de milhares de dólares pelas férias em família de Ghosn, segundo a imprensa.A renda diferida de Ghosn cresceu nos últimos oito anos, quando ele tentou subestimar sua remuneração perante os acionistas, uma prática que foi o foco da investigação que levou à sua prisão, disseram pessoas familiarizadas com a investigação. A indenização é adiada até que sua aposentadoria tenha surgido como um ponto-chave de discórdia, com Ghosn dizendo aos colegas que agiu de forma apropriada ao não incluí-la nos registros regulatórios, informou o Wall Street Journal no domingo.Bloomberg contribuiu para este relatório