quarta-feira, 3 de outubro de 2018

Novo Sandero será um verdadeiro Renault, diz designer da marca



Laurens van den Acker revela que nova geração do hatch será feita pensando no mercado global


Há um tempo, a Renault achou que seria uma boa ideia pegar os carros da Dacia, sua marca romena, trocar o logo pelo emblema do losango da marca e vendê-los em países como o Brasil. A empresa acabou mudando de ideia neste ano e disse que não faria mais isso. Agora Laurens van den Acker, chefe de design da fabricante francesa, diz que a nova geração do Sandero, prevista para 2019 na Europa, será “um verdadeiro Renault para todos.”
Em uma entrevista para os jornalistas argentinos, o designer comentou um pouco sobre como seria a estratégia de separar Renault e Dacia. Van den Acker explicou que, do ponto de visto estético, podemos esperar algo semelhante ao que aconteceu com o Captur ou com o recém-apresentado Arkana. Há parte da mecânica da Dacia, como a plataforma B0, mas o estilo foi feito todo pela Renault, ao contrário do que acontecia com o Sandero, que foi desenhado como um Dacia e a Renault apenas alterou suas linhas para ganhar o logo da empresa.
Segundo Van den Acker, a única exceção à esta regra será o Duster. Isso porque o SUV tornou-se um modelo icônico para todo o grupo Renault, “algo como o Mustang para a Ford”. Ou seja, o utilitário continuará a ser um produto da Dacia que será adaptado para os mercados onde a marca romena não atua, por ser algo próprio.
Um exemplo desta mudança de estratégia será o Renault Sandero reestilizado. Ao invés de seguir o estilo adotado na Europa, o estúdio de design da marca no Brasil criou seu próprio desenho, adiantado em patentes no INPI . Previsto para o ano que vem, o hatchback terá novas lanternas na posição horizontal, que mudam completamente a traseira do compacto. Já o Logan será mais parecido com o modelo europeu, adotando as mesmas alterações estéticas. Além do desenho novo, receberá o motor 1.6 com câmbio CVT, repetindo o conjunto mecânico do Duster e do Captur.