sexta-feira, 11 de maio de 2018

Por enquanto, Renault e Nissan permanecerão como empresas separadas



A Renault-Nissan tornou-se a maior montadora do mundo em 2017. A aliança francesa e japonesa alcançou esse marco ao adicionar a Mitsubishi a uma nova aliança de três vias. A parceria ajudará cada uma das três montadoras a cortar custos e continuar a crescer. No momento, a Renault possui participação de 43,4% na Nissan, e a Nissan detém 15% da Renault e 34% da Mitsubishi. Apesar das vantagens óbvias de fundir as empresas, a Renault e a Nissan querem ficar separadas.

De acordo com um relatório de Yu Nakamura, da Asia Nikkei, o governo francês (acionista majoritário da Renault) está pressionando por uma fusão com a Nissan. Apesar da pressão do lado da Renault, o CEO da Nissan Motor, Hiroto Saikawa, não está interessado em uma fusão. "Não vejo mérito" em combinar as duas empresas, disse Saikawa em uma entrevista. "Eu acho que teria efeitos colaterais." Em vez disso, a Nissan quer manter a aliança de três vias e tornar o gerenciamento mais eficiente. "O objetivo da aliança é manter seus membros independentes e maximizar o crescimento de cada um", disse Saikawa, acrescentando que a atual organização "produzirá sinergias em áreas como desenvolvimento e produção".

O mandato de Carlos Ghosn como CEO da Renault deve expirar, embora pareça que a empresa queira renomeá-lo. Ghosn disse que "todas as opções estão abertas" ao repensar a estrutura da aliança. Ao contrário de Saikawa, que apenas dirige a Nissan, Ghosn preside todas as três montadoras. Temos esperado para ver se a influência da Renault teria efeito Nissan e Mitsubishi no lado do produto, mas parece que as empresas ainda estão operando de forma independente, por enquanto.